Para ter tranquilidade, pais usam diazepam e matam bebê

Poppy Widdison morreu em junho de 2013, depois de sofrer uma parada cardíaca na casa do parceiro da mãe que estava repleta de drogas.

Os exames realizados no corpo da menina indicaram que ela havia ingerido uma variedade de drogas por um período de pelo menos seis meses antes de sua morte, incluindo heroína e sedativos.

Nas mensagens trocadas entre os acusados haviam algumas que fazia menção a “Smartie Blue”, que conforme as investigações se tratava do sedativo diazepam. “Pegue os ‘Smarties Blue’s’’, os que ela gosta”, teria dito a mãe para o companheiro em uma mensagem.

O objetivo conforme a promotoria era sedar a garota para que ela não desse trabalho e a dupla tivesse tranquilidade, como se a criança fosse um estorvo.

“Fica claro a partir das mensagens que a mãe via a criança como um inconveniente e que era uma ‘pedra no caminho’ em sua relação com o Sr. Rytting”, disse o promotor Gordon.

No corpo da criança também foram identificados vários hematomas.

Apesar de no Tribunal não ficar totalmente provado que as drogas tenham sido a causa da morte, foi entendido pelo juri que a soma desses maus tratos acarretaram a morte da criança e ambos foram condenados.

Fonte: Metro