Garota descobre aos 18 anos que não tem vagina

Rebekah Knight descobriu a ausência de seus órgãos reprodutores em uma consulta ao ginecologia, aos 18 anos.

Natural da Irlanda, a jovem tinha uma grande preocupação pela ausência de ciclo menstrual, o que levou a descoberta da anomalia. A garota, atualmente com 25 anos, pensou que estava “apenas atrasada em relação às amigas” que já tinham menstruado. No entanto, Debbie, mãe de Rebekah, decidiu levar a filha a uma consulta. Uma ressonância magnética revelou que a jovem sofria da síndrome de Mayer-Rokitansky-Kuster-Hauser.

A anomalia congénita do aparelho reprodutor feminino afeta uma em cada cinco mil mulheres em todo o mundo e carateriza-se pela ausência do útero, do canal vaginal e do colo do útero. 

Embora o canal vaginal possa ser corrigido através de cirurgia, tal como aconteceu com Rebekah, as mulheres diagnosticadas com esta anomalia, não podem engravidar. A única forma de serem mães é através de barrigas de aluguel.

“Como podem imaginar, fiquei bastante destroçada e chocada. Não acreditava que isto está acontecendo comigo. Fiquei especialmente triste por não ser capaz de engravidar de meus próprios filhos. Não há palavras para descrever a tristeza”, revelou a jovem em entrevista ao jornal Metro.

Após a cirurgia, Rebekah escreveu o livro “The Girl with no…” (“A garota sem…”, em português) para “ajudar outras mulheres que estejam convivendo com a mesma doença, mas em geral para que todos tenham conhecimento da existência desta anomalia”, revelou a mulher que espera conhecer um “amor capaz de aceitar a sua condição”.